Cabo-verdianos avaliam positivamente a lei da paridade, mas ainda há reservas

12 de fevereiro de 2021

A+ A-

 

A conclusão resulta do último estudo sobre a qualidade da democracia e da boa governação realizado com base em inquéritos feitos em Dezembro de 2019 pela Afrobarómetro em parceria com a Afrosondagem.


Outro dado avançado por José Semedo tem a ver com a relação entre a lei da paridade e o aumento da participação das mulheres na política. O diretor geral nos ajuda a esmiuçar alguns dos resultados em áudio da entrevista abaixo.

A análise do primeiro teste da lei da paridade, as eleições autárquicas, permite à Afrosondagem concluir que na composição das listas poucas mulheres tiveram acesso aos lugares cimeiros.

José Semedo considera que só o futuro vai determinar os reais efeitos da maior participação das mulheres nas listas e na ocupação de cargos políticos.

Os contornos da avaliação que os cabo-verdianos fazem da lei da paridade vão ser analisados nos próximos blocos de notícias da RTC.

A qualidade da democracia, em si, é o subtema do estudo da Afrobarómetro a ser divulgado na próxima terça-feira.


RCV/Praia
Edição para disponibilização online - RTC Multimédia (Estagiária - com supervisisão)

 

Outros relacionados:

ICIEG faz balanço dos resultados da lei da paridade nas autárquicas de 2020



Artigos Relacionados