VIH-SIDA afeta sobretudo mulheres entre 35-40 anos e Santiago tem a maior prevalência

01 de dezembro de 2021

Celina Ferreira, Secretária Executiva do CCS-SIDA
A+ A-

Cabo Verde tem uma taxa de infeção do VIH-SIDA de 0.6%, significando uma epidemia de fraca prevalência. Informação avançada á imprensa pela Secretária Executiva do CCS-SIDA à margem do ato central da celebração do Dia Mundial de Luta Contra a SIDA . Celina Ferreira diz que Santiago é a ilha com mais casos, seguindo-se São Vicente, Sal e Fogo, sendo que a epidemia tem mais concentração nas mulheres, na faixa etária dos 35-40 anos.

Mensagens positivas de combate à pandemia na promoção de comportamentos adequados visando gerações saudáveis, na abertura do ato central na celebração do dia mundial de luta contra o VIH-SIDA, nesta quarta-feira na Praia

98% dos bebés das mães seropositivas nascem saudáveis, uma informação relevante, avançada á imprensa pela Secretária Executiva do CCS-SIDA, um excelente ganho para o país, pelo que Cabo Verde espera ter um certificado de eliminação de transmissão vertical em 2023. 

O Fundo Global é o maior financiador do programa de luta contra o VIH-SIDA, e do paludismo, contando-se
também  com co-financiamentos do Escritório Conjunto do PNUD-FNUAP e a UNICEF, Cooperação Luxemburguesa e Governo central.

Ato central do Dia Mundial de Luta Contra a SIDA é assinalado este ano sob lema "Acabar com as desigualdades. Acabar com a Sida. Acabar com as pandemias".



Artigos Relacionados